Conceito Oficial de Naturologia


"A Naturologia é um conhecimento transdisciplinar que atua em um campo igualmente transdisciplinar. Caracteriza-se por uma abordagem integral na área da saúde pela relação de interagência do ser humano consigo, com o próximo e com o meio ambiente, com o objetivo de promoção, manutenção e recuperação da saúde e da qualidade de vida." (I Fórum Conceitual de Naturologia, 11/2009 - SC)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Receita: Bebida Vegetal de Cereais

As bebidas vegetais são ótimas opções tanto para quem não gosta quanto para quem é intolerante ou alérgico ao leite, como já discutimos anteriormente no post Leites com redução de Lactose e Bebidas de Cereais. De lá para cá entrou no mercado uma outra marca de bebidas vegetais, a da Jasmine, que possui as bebidas de Arroz e Aveia, sem adição de açúcar, nas apresentações de 1l e 200ml. Particularmente, eu acho as melhores bebidas vegetais que tem no mercado nacional hoje, não é segredo pra ninguém que eu não gosto muito de indicar bebidas de soja, por uma série de motivos, os quais eu apresento em outra oportunidade.

Porém, como nem tudo é perfeito, o valor delas é que é a maior desvantagem.. entre 13 e 16 reais o litro. Por esse grande motivo, resolvi apresentar uma solução muito viável, um pouco trabalhosa, mas cujo resultado não fica atrás de nenhuma das bebidas industrializadas prontas. Inclusive, são essas, as que fazemos em casa, que são mais saudáveis.
Quando encontrei o post no blog Vista-se, logo lembrei da época de faculdade, das receitinhas de bebidas de vegetais que indicávamos no estágio, já que naquele tempo tínhamos praticamente só o "Ades" como opção. Resolvi compartilhar com vocês esse vídeo bacana, e eu garanto, o resultado é delicioso!!

Amor materno durante infância previne doenças na meia-idade


Adultos que tiveram uma infância marcada pelo amor materno apresentam um estado de saúde bem melhor do que aqueles que não desenvolveram uma relação íntima com as próprias mães. 

A conclusão é de uma pesquisa da Universidade Brandeis, em Massachusetts (EUA), que avaliou mil adultos para medir a analogia entre pobres condições socioeconômicas e doenças como diabetes, pressão alta e ataque cardíaco. Um segundo grupo formado por 1.200 pessoas supervisionadas nos últimos dez anos também foi considerado no acompanhamento médico. 

Outros cientistas já demonstraram que crianças que crescem em áreas pobres são mais propensas a desenvolver doenças crônicas ao atingir a idade adulta. 

O pessoal da Brandeis, porém, ficou intrigado com as crianças que, vivendo exatamente nessas condições, não apresentavam doença alguma na fase adulta. "O estresse na infância pode levar a resíduos biológicos que reaparecem na meia-idade", comenta a principal autora do estudo, a professora Margie Lachman, que publicou o trabalho no jornal "Psychological Science".

O amor maternal durante a idade infantil seria uma espécie de "escudo" de proteção contra doenças a longo prazo.

Fonte: Folha SP. Imagens: Gettyimages.

Vale ressaltar que o amor paterno e dos avós também é válido, apesar de não constar no artigo acima. Bacana o estudo, né? Reforça mais uma vez a importância de criar e fortalecer o vínculo afetivo para o desenvolvimento infantil dos nossos bebês!!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Musicoterapia no tratamento do Câncer

Achei interessantíssima essa reportagem que li do jornal O Globo e resolvi compartilhar com vocês.
Se levarmos isso à reflexão, concluímos que o tratamento de doenças, como no caso o câncer, está além do físico, dos medicamentos, é muito mais integral e amplo. A Naturologia reforça tudo isso quando capacita profissionais que avaliam e tratam seus pacientes de maneira integral e holísitica (holos = totalidade). Ponto para nós e para os pacientes!
Boa leitura!!

Células tumorais expostas à 'Quinta Sinfonia', de Beethoven, perderam tamanho ou morreram

RIO - Mesmo quem não costuma escutar música clássica já ouviu, numerosas vezes, o primeiro movimento da "Quinta Sinfonia" de Ludwig van Beethoven. O "pam-pam-pam-pam" que abre uma das mais famosas composições da História, descobriu-se agora, seria capaz de matar células tumorais - em testes de laboratório. Uma pesquisa do Programa de Oncobiologia da UFRJ expôs uma cultura de células MCF-7, ligadas ao câncer de mama, à meia hora da obra. Um em cada cinco delas morreu, numa experiência que abre um nova frente contra a doença, por meio de timbres e frequências.

A estratégia, que parece estranha à primeira vista, busca encontrar formas mais eficientes e menos tóxicas de combater o câncer: em vez de radioterapia, um dia seria possível pensar no uso de frequências sonoras. O estudo inovou ao usar a musicoterapia fora do tratamento de distúrbios emocionais.